Paranaíba recebe durante o fim de semana dos dias 13 e 14 o segundo encontro de caiaqueiros e campeonato de pesca com saída do rancho Tropical, no condomínio Arantes, que deve trazer a cidade mais de uma centena de turistas.

O organizador do evento Marcelo Durão explica que apesar da validade da piracema a pesca de tucunaré, curvina e tilápia e liberada no rio Paranaíba durante todo o ano, o que não impactará no evento.

“A pesca nos rios Aporé, Paranaíba, Grande e Paraná fecha dia 1º de novembro. Porém continua permitida a captura e transporte de espécies alóctones, exóticas e híbridos (Ex.: Tucunaré, corvina, tilápias) com cota de 10 Kg de pescado + 1 exemplar por pescador licenciado É proibida a utilização de iscas vivas, com exceção dos peixes de ocorrência natural (a exemplo do lambari), desde que provenientes de criadouro com Nota Fiscal comprovando a origem. Nos rios do Estado de Mato Grosso do Sul (Pântano, Grandinho, Brejo Comprido, Quitéria e Formoso) a pesca fecha dia 05/11. Nesses rios a pesca fica totalmente proibida, bem como o transporte do pescado por via fluvial ou terrestre, com exceção somente para o pescado proveniente de criadouros com comprovação de origem” pontuou Marcelo.

Pescadores amadores têm apenas nove dias para pescaria, já que a piracema começa na próxima sexta-feira, 5 de novembro. A proibição vai até 28 de fevereiro de 2022.

“Até 0h do dia 5, ou seja, meia-noite do dia 4, as pessoas podem pescar normalmente, mas existem diversas restrições que se caracterizam como crime, com as mesmas penalidades de pescar durante o defeso, o período de proteção à piracema como: pescar com petrechos proibidos; em local vedado; pescar espécies que devam ser preservadas como a piracanjuba, na Bacia do Paraná, e o Dourados, em todas as bacias de Mato Grosso do Sul; e acima da cota permitida (um exemplar de peixe nativo e cinco de piranha); entre outras”, explica o tenente-coronel da PMA (Polícia Militar Ambiental), Ednilson Queiroz.